Cultura do medo: inovando sem amarras

A cultura do medo pode ser um obstáculo quando falamos de inovação. Muitas empresas abandonaram esse mindset para dar espaço a ambientes seguros parar errar e progredir

Cultura do medo é um termo que surgiu recentemente no mundo corporativo e tem sido tema de longos debates nas corporações. Afinal, a velocidade das mudanças tem nos levado a trocar o mindset para uma cultura de maior liberdade e horizontalização dentro dos escritórios.

Você já parou para pensar o quanto sua empresa – seja você um líder ou um liderado – já deixou de ter boas ideias em discussão por conta dessa cultura do medo? Julgamento, críticas, feedbacks ruins contribuem fortemente para que as pessoas não se imponham, não coloquem sua opinião ou traga novas sugestões para debates. “E se eu falar uma besteira?” “Vou ser demitido se eu testar uma mudança nessa metodologia?” “O que o meu gestor vai achar disso?” são perguntas que frequentemente rondam o pensamento dos colaboradores.

Por isso, as corporações cada dia mais tem investido na reciclagem de sua cultura com mais autonomia, mais liberdade para os colaboradores independente de posição. Empresas que fazem a gestão com base no medo, na ameaça, na hierarquização têm perdido espaço e competitividade em muitos aspectos – seja com relação ao employer experience, recrutando menos talentos, seja na inovação em competição com seus concorrentes.

A cultura do medo é um obstáculo falando de inovação. Empresas abandonaram esse mindset e deram espaço a ambientes seguros para erros.

E a inovação é um ponto de atenção aqui. A cultura do medo pode – e compromete – o ritmo de transformação de muitas empresas. É preciso ter espaço e liberdade para inovar, seja criando um produto ou serviço do zero, seja para melhorar um processo já executado. E a inovação percorre o caminho de ter espaço para trazer a ideia, debater, colocar para funcionar a um baixo custo, corrigir erros o mais rápido possível e testar novamente até o produto, processo ou serviço chegar a um patamar satisfatório.

Se uma empresa conta com funcionários que tem medo de expor suas opiniões, não tem um ambiente psicologicamente seguro para que possam fazer suas colocações e expor sua posição, o processo de inovação não acontece e naturalmente, vai ficando para trás.

É fundamental que as empresas possam dar autonomia para seus colaboradores (com responsabilidade, claro!) e que os líderes façam uma gestão próxima da sua equipe para identificar possíveis ruídos. E nós da PerfTracker podemos te ajudar a gerir seu time de uma maneira mais eficaz. Quer saber como? Acesse www.perftracker.com.br e fale com um de nossos consultores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A  cresceu. Agora somos a , focados na evolução de pessoas e integração de times.